Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Bem-vindos aos Blogs do Ticas, este vosso novo amigo na Blogosfera

Bem-vindos aos meus Blogs e aos do Quico e do Ventor!

O Ticas
Caminhando com o Ticas, caminham sempre com o Quico e com o Ventor
Os Trilhos da Memória, Pelos Blogs do Quico e do Ventor
E agora com os Blogs do Ticas, continuamos todos a caminhar juntinhos
O Ticas nos Trilhos do Ventor: observo o Ventor por todos

O Fotoblog do Pilantras:recordarei sempre o Quico e os seus amigos

Pilantras - o Ticas: recordarei sempre o Quico

Venham connosco. A Grande Caminhada nunca acaba!

Em Redor dos Picos da Europa

Em Redor dos Picos da Europa

Foi uma caminhada de sonhos



Eu Ouvi Chorar por Alepo

por Pilantras, em 11.12.14

Alepo, cidade histórica, feita Património Mundial, pela UNESCO, desde 1986.

Alepo é uma cidade habitada desde os 5.000 anos A.C.. Ela foi, uma cidade assimiladora de várias culturas. Habitada por muitos povos, desde ...., Assírios, Gregos (conquistada por Alexandre Magno), Romanos, Egípcios, Mongóis, Muçulmanos, ...

 Vista da cidade de Alepo, tirada da Wikipédia, de autoria de Memorino. This file is licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported license

 

Chegou a ser uma das maiores cidades do Império Muçulmano, logo a seguir a Constantinopla e ao Cairo. Foi, em tempos, términos da Rota da Seda. Com a construção do Canal do Suez, perdeu a rota da seda e iniciou o seu declínio, também devido ao isolamento da Síria.

Mas, neste mundo, sempre que ouvimos falar de cidades históricas, é sempre por factores negativos A última foi Alepo mas, como Alepo, há tantas outras espalhadas pela Síria, pelo Iraque, pelo Afeganistão, pelo Líbano, ...

Por aqui e por ali, por ali e por aqui, existem cidades inesquecíveis que, ou englobam velhas ruínas das suas gentes de outrora ou renasceram e tentam caminhar ali por perto, ainda sobre as cinzas do passado. É assim por todo o médio oriente e não só. Tudo isso, analisando ponto por ponto, quantas vezes em nome de religiões, do petróleo, de interesses estratégicos, quantas vezes sem ligarem puto aos seres humanos que apenas querem viver a sua vida e que os deixem em paz. 

 

 Mesquita de Alepo, tirada da Wikipédia, de autoria de Preacher lad. This file is licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.

 

Ninguém quer saber de ninguém! Em nome de Alá, em nome de Cristo, em nome de Jeová, em nome de santos e de santas, em nome de egoísmos que não deviam de existir.

A última vez que ouvi falar de Alepo, foi a um estudante sírio num programa de rádio. Ele está refugiado em Portugal a estudar numa universidade, sustentado por uma bolsa de estudos angariada através da Plataforma Global de Apoio às crianças sírias com o apoio do Ex-Presidente da República, Jorge Sampaio.

Esse tal cidadão de Alepo, cujo nome não recordo, disse na rádio que os sírios são fortes e não choram. Eles vivem a tristeza da guerra na Síria, longe da família e, eu não acredito que um homem que diz que chora a ouvir a Marisa cantar certos fados, que não chore ao ouvir as ruínas de Alepo a chorarem lá tão longe e que, ao mesmo tempo, sabe dizer que seus pais lhe dizem, de lá tão longe, junto às ruínas de Alepo que estão bem, mas ele não acredita.

Claro que os homens têm muitos modos de chorar mesmo que seja silenciosamente. E sabem que, numa cidade onde falta tudo que é essencial, como a água, a electricidade, o comer, tudo, ... nunca se está bem.

Eu sei amigo sírio que chorarás pela tua família, pela tua Alepo, por tudo o que está a levar a Síria a maiores ruínas. Só espero que continues com os teus estudos e que nada te falte cá no nosso Portugal onde ainda há muita gente de bem e que tu dizes gostar muito. Que nunca te falte o amor da nossa gente,  os nossos comeres,os nossos pastéis de nata.

Espero também que essa bela Plataforma Global de Apoio que Jorge Sampaio tudo tenta fazer para continuar com êxito a apoiar-vos nunca falhe, por vós, pela Síria e por Alepo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31


Caminhando por Sintra

por Pilantras, em 12.08.13

O Ventor há já bastante tempo que não caminhava por Sintra.

Eu nem sei onde isso fica mas, pelo que o Ventor me conta e pelas fotos que ele trouxe, mais uma vez, acho que se trata de uma terra linda. Diz o Ventor que Sintra, apesar de ser uma das localidades mais belas de Portugal, é também Património Mundial da Humanidade.

 

 

 Uma figura imaginária de Lord Byron, em Sintra

 

Pudera! Sintra é uma vila portuguesa que não quer ser cidade e, segundo o Ventor, há vilas em Portugal que são muito mais famosas que muitas cidades. Sintra é uma delas!

Muitos senhores deste mundo já passaram por Sintra, alguns deles, famosos, já viveram em Sintra. Destes, de passagem ou vivendo por algum do seu tempo na maravilhosa Sintra, compararam-na a um Éden.

De facto, Sintra foi casa de reis e foi também algo de extraordinário para alguns lordes ingleses, que tinha tudo de belo mais as suas brumas e nevoeiros, tal como na sua velha Albion.

 

 

Símbolo dos súbditos de sua Majestade, na sua passagem por Sintra

 

Sabem que uma vez, em Moçambique, um tripulante de um avião rodesiano, disse ao Ventor quando este lhe perguntou se, caso houvesse uma guerra entre a Rodésia e a Inglaterra, se já tinham pensado como seria triste terem de lutar contra a terra que os viu nascer? De sete, três pelo menos tinham nascido em Inglaterra e um deles disse ao Ventor, apenas isto: "se tiver de lutar contra a Inglaterra não terei problema algum porque da Inglaterra, apenas tenho saudades dos nevoeiros"!

 

 

Uma das mais belas imagens de Sintra, O Palácio Nacional de Sintra, velho lar de reis

 

O Ventor contou-me esta historieta para me recordar que, provavelmente, os ingleses que gostaram tanto de Sintra como Lorde Byron e outros, terá sido por lhes fazer recordar os nevoeiros e neblinas inglesas. Em Sintra havia tudo isso e mais a beleza fantástica da sua serra, do seu mar dos seus palacetes e dos seus jardins.

 

 

Uma das belas charretes que levam os turistas a passear por Sintra

 

O Ventor rodava, hoje de manhã, no IC XIX (IC 19) rumo a Sintra e, olhando o topo da serra de Sintra, observou o seu famoso chapéu a cobrir toda a serra. É um chapéu que o seu amigo Neptuno manda as suas fadas fabricar para o colocarem lá só para chatear o Ventor. Claro que o Ventor não gosta de muitas coisas que os ingleses gostam e acha que Sintra deve ser o seu ideal. Calcula que, quando eles se levantavam de manhã, ofuscados pelo nevoeiro, ao verem o nosso amigo Apolo a esculpir a sua serra, desfazendo aquele trabalho das fadas de Neptuno, seria, então, que eles viam toda a envolvência de Sintra transformar-se no seu belo Éden.

 

 

Uma bela imagem que nos dá uma ideia da vida dos sintrenses

 

Mas o Ventor não gosta de se deslocar a Sintra com a sua bela serra bloqueada, nem sequer, para satisfazer os ingleses, como os seus Byrons e outros. Afinal, tudo não passa de efemérides. Byron disse que Sintra era um Éden mas, por várias razões, ele não se terá dado bem com esse Éden porque acabou por ir morrer à Grécia. Ainda tão jovem e, se calhar, porque deixou o seu Éden para trás. Não fosse isso e teria escrito muitas coisas lindas sobre o Éden de Sintra e, quem sabe, os nevoeiros ingleses. Mas ele decidiu ir até à Grécia e lutar ao lado dos gregos pela sua independência. Não foi por acaso que os gregos lhe terão erguido uma estátua. Se calhar encontrou lá um outro Éden pelo qual valeria a pena lutar contra os turcos e, em Sintra, as lutas eram outras e as tropas napoleónicas seriam, talvez, piores que as turcas. Byron esteve em Sintra quando das invasões francesas a chamada Guerra Peninsular, entre 1807 e 1814. Em 1809 andava ele por Sintra e os franceses andavam por aí.

 

 

Uma belíssima parelha que vai rebocando as charretes por Sintra

 

Mas Sintra continua bela, continua a caminhada do seu Éden e os Byrons, lordes ou não, vão desaparecendo ficando Sintra, resguardando nas suas memórias o que os Byrons contaram sobre ela e falando ela sobre eles, recordando que homens como Byron, também fazem parte da sua bela existência.

E, o Ventor, sempre que pode, vai caminhando por Sintra, comendo os seus travesseiros, bebendo o seu café e sonhando com tudo isto, especialmente, com Sintra.

 

 

Mais uma bela imagem que nos diz algo de Lord Byron e de "Cintra" o seu Glorius Éden

 

 
Flores de Sintra que o Ventor me pediu para colocar aqui, homenageando Lord Byron

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:22

Taj Mahal

Taj Mahal, na cidade de Agra, India



O Bisonte de Altamira

O Ventor disse-me que já conversou com os velhos amigos da Gruta de Altamira. Disse-me também, tal como já tinha dito ao Quico, e tal como ele disse no seu post, em Glória a la Vida, que o gelo aterrorizava. Como o Quico terá sido feliz aqui, a penetrar a Net, e a ouvir as histórias do Ventor! Será que era tão feliz como eu? Só o Senhor da Esfera saberá.


Playlist de vídeos de Músicas que me contam histórias, no Portal Quico97


As minhas Músicas no Youtube

Este é o vexilóide de um império que apareceu para os lados da India logo à passagem de Alexandre Magno pelas margens do rio Indo. Este império iniciou-se em 322 A.C. e durou até 185 A.C., cerca de 137 anos.
O Império Máuria foi iniciado por Chandragupta Máuria, que conquistou o reino de Maghada e depôs a dinastia Nanda. O império Máudia expandiu-se por toda a India, desde os Himalaias, até à Persia, com Paquistão e Afeganistão, tendo conquistado vastos territórios a Seleuco, um dos generais de Alexandre.
Dos 9 imperadores do Império Máuria, foi o imperador Ashoka Vardhana que favoreceu o Budismo, se tornou budista e tornou-se já então, grande defensor dos direitos dos animais.
Vale a pena os gatos reflectirem sobre este imperador Ashoka, unificador da India, onde ainda hoje há animais que são sagrados.

Ticas - o gato Pilantras

Links dos nossos Blogs

Os Blogs do vosso amigo Pilantras
Pilantras - o Ticas - O Ventor, chamou-me, na minha caderneta, Quico Pilantras, mas no dia a dia, quando manda vir comigo, se faço uma coisa mal feita, chama-me Pilantras e se está bem disposto, chama-me Ticas!Aqui, tentarei falar-vos de tudo, um pouco.
Pilantras, nos Trilhos do Ventor - Aqui, vou tentar acompanhar o que o Ventor vai fazendo durante o decorrer da sua (nossa) vida. Não pensem que vai ser fácil!
Pilantras, nos Trilhos do Quico - Neste blog, irei, aos poucos, tentar acompanhar os meandros em que o Quico se metia. Darei continuidade à sua Grande Caminhada e, através dela, tentarei falar de males da História, que sempre apoquentarem o mundo.
O Fotoblog do Pilantras - Por este Blog, farei, com o tempo, passar fotos de flores, de animais e mais motivos, que me pareçam de inteesse, para mim e para o Ventor. E, claro, esperarei que também vão agradando a alguns dos nossos amigos.
**********************************************
Os Blogs do velho Quico
A Arrelia do Quico - O blog que o Quico dedicou aos seus amigos e denuncou o mundo todas as suas arrelias, originadas neles.
Os Amigos do Quico - Este é o blog que o Quico dedicou, especialmente, aos seus amigos. Aqueles que ele chamou "os filhos do Sol".
Fotoblog do Quico - neste blog o Quico colocava as fotos dos seus amigos que o Ventor trazia para casa.
Ventor em África - Por qui, o Quico colocou muitas das histórias que o Ventor lhe contava das suas caminhadas africanas. Vivendo as Memórias foi o que o Ventor fez com o Quico, recordando vinte e seis meses pelo Continente Negro.
O Ventor no Passado - Foi a caminhada de todas as caminhadas. Dizia o Quico para o Ventor: "se tu caminhavas tanto, se perdes tantas horas de dia e de noite, com geografias e histórias que os humanos levaram à morte de milhões daqueles que constituem a sua própria espécie, só nos os dois, para nós e para o mundo, vamos com toda a calma, chamar-lhe a Grande Caminhada.
**********************************************
Os Blogs do Ventor
Adrão e o Ventor - Adrão é o berço do Ventor. Foi lá que ele nasceu e viveu os primeiros 15 anos da sua vida. É o blog onde o Ventor fala de si e da sua gente e dos seus lugares de sonhos.
Os Trilhos da Memória - Sempre que o Ventor ia fazer uma caminhada, quando chegava, sentava-se escrevia e falava de tudo ao Quico.
Flores da Vida - As flores que têm acompanhado o Ventor nos últimos anos. O Ventor chamou-lhes, inicialmente, Flores de Inverno porque era Inverno quando o Ventor recomeçou a admirar as flores.
Planeta Azul - Este é o Blog que o Ventor dedica aos temas do nosso Planeta Azul. Uma beleza na nossa Esfera.
Páginas Brancas - Um blog que o Ventor dedicou à classe dos sujos - os políticos!
Rádio Ventor - Este é o blog que o Ventor dedica às músicas para a sua Rádio. O Ventor e o Quico gostavam de música, mas a mim, entra-me por um ouvido e sai-me pelo outro!
Montanhas Lindas - Um dia o Ventor caminhou pelas suas montanhas e chegou à conclusão que, por tudo que já tinha visto, as suas montanhas já eram as mais lindas de todas.
Fotoblog do Ventor - É um espaço onde o Ventor achou por bem, colocar algumas das suas belezas.
Fotoblog de Flores - Neste espaço, o Ventor disse que iria colocando e falando de flores que encontrasse pelas suas caminhadas.

Mais sobre mim

foto do autor




calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930


  Pesquisar no Blog